sexta-feira, 13 de maio de 2011

Crítica: Valentin e opiniões dos espectadores

Trazemos aqui uma crítica do filme do CINE CCH. Aguardamos também as opiniões de vocês, que foram nossos espectadores no filme.

O argentino Alejandro Agresti já tinha dirigido uma penca de outros filmes em seu país, mas o reconhecimento internacional só chegou com Valentin, filme que rodou os festivais e arrebatou público e crítica mundo afora, fazendo com que Hollywood logo tomasse o diretor para si, para dirigir dramas leves por lá (
A Casa do Lago, com Keanu Reeves e Sandra Bullock).
Valentin é um garotinho de oito anos de idade, que é criado pela avó, pois o pai pouco lhe visita e a mãe ele não sabe onde vive. É ele quem narra a própria história, imprimindo sua visão de criança (mesmo) sobre a situação em que vive. Ele discursa sobre suas relações com a família, sobre a escola, sobre a vontade que tem de o pai arrumar-lhe uma madrasta linda, loira e inteligente, sobre o desejo de ser cosmonauta e despeja a todo momento sua opinião sobre os adultos, sobre os judeus e sobre o porquê da vida possuir tanto impecilho para ser bem vivida.

O texto é delicioso e passeia com destreza entre o drama e a comédia, conquistando pela sua simplicidade e inteligência de desenvolvimento. Tem como grande trunfo o elenco: o próprio Valentin, criança dessas tão espertas, graciosas e bem criadas que dá vontade de adotá-las; a avó interpretada magistralmente por Carmen Maura; o simpático vizinho Rufo (Mex Urtizberea) e a candidata favorita a madrasta (Julieta Cardinali).
[...]
Valentin é uma pequena pérola do cinema argentino. Mais um exemplar que prova a versatilidade daquele cinema que, assim como o brasileiro atual, possui reconhecimento dos especialistas mundiais, mas pouco consegue penetrar no mercado exterior. Este, felizmente, chegou ao Brasil e pode ser encontrado nas locadoras. Indispensável para quem gosta de cinema sensível.

Fonte: Site Fred Burle no Cinema: críticas, notícias e curtas, disponível em: http://www.fredburlenocinema.com/2010/10/critica-valentin.html

Esse texto é apenas uma opinião. Queremos também a sua.
E então, o que você sentiu, pensou e gostaria de falar sobre o filme?

6 comentários:

  1. Tinha lido pela internet que este filme se assemelha muito ao brasileiro "O ano em que meus pais saíram de férias", mas achei muito diferente. O contexto histórico é o mesmo, mas a forma como se desenrola a história é bem diferente, pois na produção argentina há um foco maior nas relações entre as pessoas e na forma como Valentin resolve por si só sua vida, ajudando a vida dos que o rodeiam.
    No filme brasileiro a história circula pelo que acontece com o garoto Mauro que não é tão autônomo e decidido como Valentin.
    Valentin é uma enorme surpresa para aqueles que gostam de pensar sobre a vida.

    ResponderExcluir
  2. Adriana Hoffmann20 de maio de 2011 05:35

    Valentin é um menino que pensa e nos faz pensar sobre a vida e sobre tudo o que nos acontece, o cotidiano...
    Vale a pena trocarmos sobre ele aqui.Aguardamos as opiniões de todos os que já viram o filme um dia para nos dizerem o que acharam, o que sentiram nesse filme. Um filme de sensibilidade impar!

    ResponderExcluir
  3. Valentin nos ensina tanto.
    Tiramos muitas lições, deste filme.
    Gostei do Cine CCH.
    Gostaria de saber se este CCH é
    da UNIRio ou da UFRJ. Tem quem me rseponda?

    Vou seguir,depois do teatro,
    cinema é a "minha praia"
    Um abraço, à equipe

    ResponderExcluir
  4. Adriana Hoffmann22 de maio de 2011 16:34

    Olá Lucia!
    O CINE CCH é da UNIRIO.Seja bem-vinda!! O filme Valentin foi o último exibido no CINE CCH. Apareça nas nossas próximas sessões!
    Beijos,
    Adriana

    ResponderExcluir
  5. Me apaixonei pelo menino e pela história.
    Acho que esse filme inspira uma maneira de encarar a vida: o jeito Valentin de ser.
    Encarar o lado bom das coisas, ter sempre um plano B e sonhar. Sonhar sempre!

    ResponderExcluir
  6. Adriana Hoffmann25 de maio de 2011 12:00

    É mesmo Maysa!Que possamos ser um Valentin na educação...
    Beijos,
    Adriana

    ResponderExcluir