sábado, 27 de agosto de 2011

Recorde de público...Revelação...Emoção...


“Minha vida em cor de rosa”




Nem o frio, nem a chuva, nem o excepcional lugar diferente, foram empecilhos para aqueles que compareceram para assistir e debate o filme “Minha vida em cor de rosa” Alain Berliner.

Como de prática em todas as sessões, exibimos um curta relacionado à temática principal do filme. Nessa, dia 22/08, foi exibido “O que você faria?” produzido pelos educandos Victor e Juliana, que ganhou visibilidade não só a partir de sua exibição, mas pelos vários elogios dos presentes nesse dia, como o de D. Laura: – “o curta deve ser mais divulgado e que outros sejam feitos para que a questão levantada pelo vídeo continue a ser levantada não apenas dentro da universidade”.

E teve muito mais!! Não só o filme longa e o curta provocaram emoções, tivemos momentos marcantes de depoimentos espontâneos, que mexeram com o público e causaram profunda reflexão sobre as questões relacionadas a diversidade sexual na sociedade, na universidade e na escola.

Agradecemos a todos os presentes que abrilhantaram nosso evento, aqueles que não puderam comparecer, mas que contribuíram de alguma forma para que ele acontecesse. Agradecemos a todos os professores presentes nesse dia que trouxeram suas turmas ou que compareceram pelo interesse no filme e no debate: Ângela, Claudia, Vera, Maria Alice, Leonardo e Alberto. Ficamos felizes por vermos que a cada dia mais professores começam a perceber o cinema como espaço de aprendizagem e de conhecimento!!

Kelly Maia

15 comentários:

  1. Obrigada Kelly! Ficou ótimo!!

    ResponderExcluir
  2. Kelly,
    Ficou muito bom!!!

    ResponderExcluir
  3. Vocês são jóia, meninas!!Cada uma com a sua competência vão construindo conosco um projeto de arromba!!!

    ResponderExcluir
  4. AO ASSISTIR O FILME "MINHA VIDA EM COR DE ROSA", CONSIDEREI DE EXTREMA IMPORTÂNCIA SALIENTAR PARA AS QUESTÕES DA DIVERSIDADE, MUITAS VEZES NÃO TRABALHADAS EM SALA DE AULA.
    ALÉM DISSO, ESTABELECENDO UMA RELAÇÃO COM A DISCIPLINA IMAGEM E EDUCACAÇÃO É POSSÍVEL DIZER QUE O FILME NOS MOSTRA ALGUMAS IMAGENS EM DIFERENTES PERSPECTIVAS: A IMAGEM DA TELEVISÃO E/OU OS PROGRAMAS TELEVISIVOS QUE DE ALGUMA FORMA INFLUENCIAM AS ATITUDES DAS CRIANÇAS, A IMAGEM QUE LUDOVIC TEM DELE MESMO, A IMAGEM QUE A FAMÍLIA DE LUDUVIC QUER MOSTRAR PARA A SOCIEDADE E ETC.
    ENFIM, ALGUMAS DESTAS QUESTÕES JÁ FORAM DISCUTIDAS NO DEBATE REALIZADO EM SALA NA DISCIPLINA, MAS VALE DEIXAR O COMENTÁRIO AQUI!
    ABRAÇOS E DEIXEM SEUS COMENTÁRIOS!
    VANESSA ALVES S. BANDEIRA

    ResponderExcluir
  5. para mais reflexões...esse lindo texto!
    http://www.blogmamiferas.com.br/2011/08/o-garoto-de-rosa-shockin.html
    beijos em todos e parabéns pelo trabalho, Lia Alencar

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Vanessa e Lia por aparecerem aqui deixando suas contribuições!
    Beijos,
    Adriana

    ResponderExcluir
  7. O filme é realmente interessante, penso que seja de extrema importância trazer questões como as apresentadas no filme para a sala de aula, principalmente para que nós professores saibamos como lidar com as crianças que apresentam um comportamento semelhante ao de Ludovic. Acredito que como formadoras e formadores de opinião temos que nos esforçar para não termos um discurso contra o preconceito e acabarmos por não deixarmos o menino pintar o desenho de rosa e roxo. Ou repreendermos caso ele resolva brincar com bonecas ou se for uma menina querendo brincar de carrinhos e gostando mais da cor azul. Devemos evitar não só contribuir para o preconceito, mas também devemos evitar expor as nossas crianças.
    Afinal, as imagens influenciam muito a vida dos sujeitos, como discutido em sala.

    ResponderExcluir
  8. A noite estava fria e chuvosa, mas o cine CCH estava tão caloroso e interessante que valeu a pena nos deslocarmos até outro local para participar deste evento. Eu gostei muito principalmente porque o filme, o curta e o debate se interligaram, o que gerou uma discussão muito rica sobre Cultura, Infância, Diversidade, Gênero, Preconceito e outros temas diretamente ligados à educação e tão importantes para serem discutidos para/por nós futuros educadores, em tempos de uma sociedade tão preocupada em julgar, taxar e excluir.
    Quero elogiar os alunos que se “expuseram” no curta, assumindo suas opiniões e preferências e contribuindo para que outras pessoas tenham a possibilidade de saber o que eles pensam e sentem e a quais situações já passaram devido ao preconceito.
    Acho que é importante interpretarmos sempre o contexto das mais diversas situações antes de formularmos qualquer opinião ou crítica. O que muitas vezes não acontece, seja na universidade, nas escolas, dentro de nossas famílias e nos mais diversos lugares sociais que ainda encaram esses temas como polêmicos, preferindo negá-los a debatê-los. O cine CCH abriu a possibilidade de debater. Falar e ser ouvido, o que é essencial!
    Parabéns a toda a equipe que faz o Cine CCH Acontecer.

    ResponderExcluir
  9. Bom ter vcs, Daniele e Letícia por aqui!!
    Sejam sempre bem-vindas!
    Adriana

    ResponderExcluir
  10. O filme é de uma simplicidade rara de se ver hoje em dia, principalmente, tratando de um tema tão complicado de ser abordado nos dias atuais. Assistir ao filme me fez refletir mais sobre esta temática que nos "pega de surpresa" a todo dia todos os locais e principalmente na escola. Devemos pensar no tema e enxergar que a educação deve ser pensada para que certos temas possam ser bem "resolvidos" tanto pelos alunos quanto pelos professores. Cabe a nós, usar filmes como esse para começarmos a pensar mais na importância de realmente enxergar o que está a nossa volta.

    ResponderExcluir
  11. Como já disseram acima, o frio e a chuva não espantaram quem se propôs a mergulhar nesse mar de introspecções e reflexões, ao contrário, acalentaram os corações.
    O filme nos mostra de forma humana e simples como o cotidiano se modifica e como é preciso estarmos atentos, nós educadores, a cada detalhe e a cada particularidade, para, assim, dentro da sala de aula, nos apresentarmos mais abertos e receptivos, cuidando e educando de maneira justa e humana, sabendo lidar e conviver com as diferenças e, o mais importante, aprender e engrandecer com elas, sem preconceitos ou hipocrisias.

    ResponderExcluir
  12. Sara e Letícia,
    A questão humana é sempre tema de discussão em nossos CINE CCH, sob os mais variados matizes. Permitir que os filmes nos façam pensar sobre a nossa vida é um dos objetivos...
    Obrigada pela participação das duas!
    Adriana

    ResponderExcluir
  13. Costumo ler sempre o blog "7x7" e hoje, ao encontrar essa potagem, nao resisti e vim compartilhar com voces: http://colunas.epoca.globo.com/mulher7por7/2011/09/02/jackie-dez-anos-e-transexual/

    ResponderExcluir
  14. Achei tanto o filme quando o curta interessantíssimos, pois trataram de forma clara sobre a questão da diversidade sexual e do preconceito. Isso nos faz pensar em nossa prática pedagógica, levantando algumas questões, como, por exemplo, qual será nossa atitude como educadores se tivermos em sala de aula um caso como retratado no filme? Também foi falado sobre o posicionamento da Unirio em relação ao tema, visto que não é um assunto muito discutido na mesma. Acho que nós, como futuros pedagogos e formadores de opinião, deveríamos discutir mais sobre a questão da diversidade sexual e o preconceito.

    ResponderExcluir
  15. Maysa e Joana,
    Boas contribuições! Maysa vi essa notícia e me lembrei das nossas discussões nesse filme. O menino é uma menina perfeita!! E como Joana aponta é muito importante trazermos esses temas a baila para pensarmos juntos possibilidades de lidar com o preconceito evitando mais casos de violência na escola...

    ResponderExcluir